Curiosidades e tudo que você sempre quis saber...


Para entender a história... é uma publicação técnico-científica on-line independente brasileira, indexada pelo IBICT, Latindex, CNEN e LivRe; no ar desde sexta-feira 13 de Agosto de 2010.
Não possui fins lucrativos, seu objetivo é disseminar e difundir o conhecimento através de artigos com qualidade acadêmica e rigor cientifico, mas linguagem acessível ao grande publico.

Periodicidade: Semestral (edições em julho e dezembro) a partir do inicio do ano de 2013.
Mensal entre 13 de agosto de 2010 e 31 de dezembro de 2012.

Livros com preços promocionais a partir de 4,99.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

RESENHA: COUTO, Ronaldo. Os jesuítas na América portuguesa [livro eletrônico]: a expansão da fé e a consolidação econômica no Rio de Janeiro: Séc. XVI e XVII / Ronaldo Couto. -- Rio de Janeiro, RJ: Ed. do Autor, 2013.


Para entender a história... ISSN 2179-4111. Ano 5, Volume jul., Série 02/07, 2014, p.01-03.
 
 
Prof. Fábio Liberato de Faria Tavares.
Graduado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Mestrando em Educação Tecnológica pelo Centro Federal de Educação
Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG).




O autor já explicita que não se propõe a fazer uma história definitiva sobre o tema.
O livro se inicia nas origens do cristianismo, com destaque para a primeira figura missionária da religião, Paulo.

Paulo, por ter levado o cristianismo para várias localidades, teria sido uma inspiração para os empreendimentos posteriores.

A ligação Igreja-Estado começou no Império Romano.
Se por um lado era benéfica para a Igreja, por ter proteção e garantia de fiéis, muitas vezes ela foi submetida a interesses dos governantes.

As universidades que foram surgindo através da problematização e da sistematização do conhecimento passam a ser vistas como importantes instrumentos para capacitação e expansão da fé cristã.
A Cia. De Jesus se encaixa no quadro da Contra-Reforma. Ignácio de Loyola era de família nobre.

Feriu gravemente na perna em luta contra a França e ficou com sequela.
No período de recuperação foi se apaixonado pelo cristianismo lendo entre outros autores, Jacobus de Varagine.

Brigas foram comuns, para se decidir nas mãos de quem ficaria a administração da Cia.

O predomínio foi de itálicos.
Os inacianos sabiam como usar as lendas locais a seu favor. Faziam distorções para aproximá-las do cristianismo.

Um caso é o de Sumé.
Os únicos a quem os jesuítas deviam obediência era ao Papa.

No Brasil Colonial, por exemplo, os jesuítas aceitavam quer um índio adulto que não soubesse a língua portuguesa confessasse para uma criança e esta repassaria ao padre.
Mesmo com as críticas, continuaram com a prática.

Eles proibiam também que bispos entrassem nos aldeamentos para não atrapalharem a catequização.
Acolhiam na ordem os considerados “infames” (libertos, desterrados, cristão novos, excomungados, etc.).

Apesar de tentar se colocar como uma instituição mundial, os jesuítas esbarravam nas rivalidades continentais.
Um exemplo foi o atrito entre portugueses e espanhóis durante a União Ibérica.

A briga de nacionalidades ficou clara nas “guerras Guaraníticas” entre 1754 e 1756 quando os Sete Povos das Missões se rebelaram quando a região saiu do domínio espanhol e foi para mãos portuguesas.
Os jesuítas espanhóis incentivaram a luta. Pela lógica, só estaria havendo a troca de jesuítas espanhóis para portugueses.

Os jesuítas contribuíram para a educação não só na América como na Europa.
René Descartes estudou em colégio da ordem na França.

A universidade de Évora teve sua origem em colégio jesuíta.

Os jesuítas não condenavam os conhecimentos da medicina, contrariando a maioria dos religiosos da época.
Padre José de Anchieta teria tido certo conhecimento de medicina.

Os tratamentos que ele ministrou ajudou na conquista de novos fiéis, pois acabava desacreditando os pajés.
Em Goa eles abriram cursos na área médica que acabaram dando origem ao curso em 1842.

Em Goa e Pequim, os jesuítas driblaram as proibições do Santo Ofício e compravam ou publicavam livros proibidos.
Entretanto na América Portuguesa as restrições eram fortes.

Na América Espanhola havia censura, mas em menor grau, além disso, poderia haver impressão de livros.
Os jesuítas forma importantes também não só por levarem a fé católica, mas também ajudaram na colonização.

Muitas vezes agiram como negociadores de apoio indígena, seja para ajudarem os portugueses as submeterem povos hostis, seja para expulsar estrangeiros, como os franceses na baía de Guanabara.
Mas também tiveram ganhos com isso. Conseguiram ampliar seu poderio econômico e terras como no RJ (regiões do Engenho Novo, Velho, Tijuca, entre outras).

Mais de 1000 habitantes da América Portuguesa ajudaram na reconquista de Luanda.
Era de suma importância para os fazendeiros (principalmente fluminenses) a manutenção do tráfico.

E para os jesuítas também, pois assim aliviaria a escravidão indígena.

Os jesuítas faziam uso intenso de suas terras.
Plantavam cana de açúcar, hortaliças, criavam gado entre outras atividades lucrativas.

Eles até emprestavam a juros.
Eles não dependiam muito de doações, viraram atores relevantes no comércio da colônia.

Tinham o costume de “bancarem os coitados”, para conseguirem benesses do governo lusitano.
Graças aos pedidos, conseguiam terras, esmolas, e alimentos da Coroa.

A bem sucedida cristianização dos indígenas fez com que a ordem aumentasse seu poder econômico e político.

A obra é uma leitura valiosa para os que querem iniciar os conhecimentos sobre a participação dos jesuítas na história brasileira e entender o porquê de eles terem deixado marcas de seus trabalhos até a atualidade.

 
Para saber mais sobre o assunto.
COUTO, Ronaldo. Os jesuítas na América portuguesa [livro eletrônico]: a expansão da fé e a consolidação econômica no Rio de Janeiro: Séc. XVI e XVII / Ronaldo Couto. -- Rio de Janeiro, RJ: Ed. do Autor, 2013.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esteja a vontade para debater idéias e sugerir novos temas.
Forte abraço.
Prof. Dr. Fábio Pestana Ramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.