Curiosidades e tudo que você sempre quis saber...


Para entender a história... é uma publicação técnico-científica on-line independente brasileira, indexada pelo IBICT, Latindex, CNEN e LivRe; no ar desde sexta-feira 13 de Agosto de 2010.
Não possui fins lucrativos, seu objetivo é disseminar e difundir o conhecimento através de artigos com qualidade acadêmica e rigor cientifico, mas linguagem acessível ao grande publico.

Periodicidade: Semestral (edições em julho e dezembro) a partir do inicio do ano de 2013.
Mensal entre 13 de agosto de 2010 e 31 de dezembro de 2012.

Livros com preços promocionais a partir de 4,99.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Educação, Escola, Família e Sociedade.

Para entender a história... ISSN 2179-4111. Ano 2, Volume mai., Série 02/05, 2011, p.01-07.


Contemporaneamente, as questões em torno da função da educação remetem ao estudo da família, pois, cada vez mais, o senso comum atribui à escola a tarefa de educar, delegando responsabilidades aos professores que antes eram dos pais.
Mas será que a escola realmente pode chamar para si a tarefa de educar?

Talvez seja necessário fazer a sociedade entender o que é família, assim como o que é educação, antes de discutir o assunto.

Em todas as sociedades humanas, tanto hoje como no passado, a família sempre foi a unidade central da organização social, oscilando em tipos e formas variadas, assumindo funções sociais essenciais para a existência da vida coletiva.
O ser humano, como animal fisicamente frágil, desenvolveu a união de forças para sobrepujar a natureza.
A cooperação foi essencial para a sobrevivência da espécie, transformando o homem em um ser social.
A interação social, a capacidade de relacionar-se com o outro, integrar-se ao grupo, nasceu junto com a humanização.
Devemos lembrar que quando nasce, por um longo período, a criança precisa ser alimentada e protegida por um adulto.
Mais tarde, quando cresce, o novo ser precisa perpetuar a espécie e reproduzir, novamente, dependendo da interação social.
Assim, ao contrário de outros animais, o homem não pode depender somente do instinto para sobreviver, necessita da razão e da interação social, o que conduz diretamente ao conceito de família.


O conceito de família.
Embora, em geral, a família tenha origem em um fenômeno biológico de conservação e reprodução da espécie, o conceito envolve questões vinculadas a aspectos sociais que interferiram diretamente na evolução humana.
A família sofreu consideráveis modificações ao longo da história, regulando as interações sociais e cunhando preceitos morais e éticos, fomentando leis e normas.
No entanto, o conceito de família, independente de suas variações, é basicamente o mesmo desde os primórdios da humanidade.
Segundo Murdack, família é “um grupo social caracterizado pela residência em comum, com cooperação econômica e reprodução”, um conceito bastante elástico.
Para Mair, família é “um grupo doméstico no qual os pais e filhos vivem juntos”, uma concepção mais restrita e hoje colocada de lado pela maioria dos antropólogos.
Para Beals e Hoijer, família é “um grupo social cujos membros estão unidos por laços de parentescos”.
Outro conceito aparentemente estreito, mas que, diante da elasticidade do estabelecimento de graus de parentescos artificiais, admitidos como possíveis pela antropologia, esta concepção torna-se ampla.
Em outras palavras, qualquer que seja a linha teórica, a verdade é que todos os conceitos se encaixam na seguinte definição de família:

Família é todo conjunto de pessoas unidas por interações sociais com certo grau de coesão entre seus membros, com graus de parentesco artificiais ou concretos, declarados ou ocultos, com ou sem ligação genética.

Hoje, apesar de no passado já terem sido registrados casos semelhantes ao longo da história da humanidade, a família pode tanto ser constituída por pais e filhos, como por um conjunto de amigos, onde cada membro assume uma função social perante os demais.


Tipos de família.
Dentro do âmbito da amplitude do conceito de família, para a antropologia existem algumas classificações tipológicas que visam ajudar o estudo.
Assim, pensando nas diferentes maneiras como se organizam ou estruturam os grupos, variáveis no tempo e espaço, a família pode ser classificada em cinco tipos:

1. Elementar.
Também chamada de nuclear, natal-conjugal, simples, imediata ou primaria; é aquela formada por pai e mãe, homem e mulher ou aqueles que assumem a vida conjugal monogâmica, podendo ser um casal de dois homens ou duas mulheres.
Fazem parte deste tipo de família, além do casal, também os filhos, quer sejam gerados biologicamente ou agregados ao grupo.
A despeito de, até pouco tempo atrás, só ser considerado como pertencente a este tipo de modelo a família patriarcal tradicional com laços sanguíneos.
Não obstante, a família elementar, do ponto de vista antropológico, é considerada efêmera, pois à medida que os filhos crescem, constituindo novas famílias, o grupo diminui e, eventualmente, tende a desaparecer com a morte dos pais.
Sobrevive, com raras exceções, não mais que duas ou três gerações.

2. Extensa.
Também chamada grande, é uma unidade formada por duas ou mais famílias de tipo elementar, com grau de parentescos mais complexos, envolvendo avós, tios, sobrinhos, primos, afilhados e até agregados.
No entanto, a unidade nuclear, com pai e mãe, ou aqueles que exercem a função, é bem definida e nítida, admitindo apenas relações monogâmicas entre cônjuges.

3. Composta.
Também chamada complexa ou conjunta, é uma unidade formada por três ou mais cônjuges e seus filhos, com estrutura poligâmica.
É um modelo oriental de família, existente desde os primórdios da humanidade e muito comum em sociedades matriarcais

4. Conjugada Fraterna.
Refere-se a uma unidade composta por membros que compartilham funções, não existindo a presença rígida de pai e mãe.
Ora um membro do grupo exerce o papel de pai, ora de irmão ou filho, tudo depende do contexto e do momento.
Um bom exemplo são as sociedade indígenas, onde a criança é de responsabilidade de toda a tribo, embora existam funções delimitadas por sexo e idade.
Nas sociedades modernas, diante da ausência do real ocupante da função exercendo a mesma, existe uma tendência a sempre alguém ocupar o lugar vago, mesmo que temporariamente.

5. Fantasma.
Consiste em uma unidade formada por apenas um elemento nuclear, pai ou mãe, e o chamado fantasma, além dos filhos.
Isto, mesmo no caso de pai ou mãe vivos, mas ausentes, pois quando a função não é desempenhada, pelo menos em um aspecto, o elemento torna-se um fantasma.


Funções da família.
Dentre as diversas funções da família, as quais tem variado através dos séculos, os estudiosos apontam quatro básicas e quatro subsidiárias.
As funções básicas, também chamadas de fundamentais, são encontradas em todos os grupos humanos, sendo elas:

1. Sexual.
Atende as necessidades sexuais permitidas por meio da institucionalização da união ou casamento.

2. Reprodução.
Visa perpetuar a espécie, mesmo em sociedades onde há liberdade sexual, a procriação é regulada com normas e sanções que legitimam a família.

3. Econômica.
Assegura o sustento e proteção do grupo, conduzindo a divisão de tarefas e a estratificação, com status diferenciados entre os membros.

4. Educacional.
O grupo, através da coesão, arca com a responsabilidade de transferir os conhecimentos acumulados pela humanidade de geração em geração, criando condições para que exista uma cooperação entre os membros.
O que torna, teoricamente, a vida em sociedade possível.

Portanto, as funções básicas da família podem ser desempenhada de várias maneiras, dentro dos mais diversos sistemas culturais, moldando as personalidades individuais.
Como agente educador, a família pode combinar duas funções especificas:

1. Socializadora.
Na medida em que transmite a herança cultural e social durante os primeiros anos de vida (linguagem, usos, costumes, valores e crenças), a família é peça essencial no processo de endoculturação, preparando a criança para o ingresso na sociedade.

2. Social.
Proporciona a conquista de diferentes status dentro da estratificação social, tal como o posicionamento étnico, nacional, religiosa, político, educacional e até de classe.

Além destas divisões, alguns autores classificam quatro funções subsidiárias, apesar de outros afirmarem que perderam sentido na sociedade moderna.
No entanto, cabe ressaltar que, diferente das funções básicas, as subsidiarias não existem em algumas sociedades.
Estas funções subsidiarias podem ser assim divididas:

1. Religiosa.
Une seus membros através de uma rede de direitos e proibições morais, estabelecendo laços afetivos e sentimentais.

2. Jurídica.
Impõem obrigações definidas entre os membros, mas também direitos.
O que garante a reprodução do sistema econômico e político vigente, assim como a manutenção do status individual.

3. Política.
Propicia proteção potencializando apoio emocional para a resolução de problemas e conflitos, podendo formar uma barreira defensiva contra agressões externas.
Neste sentido, reforça a saúde física e mental do individuo, constituindo um recurso para lidar com situações associadas à vida em comunidade.

4. Recreativa.
Constitui uma válvula de escape para as tensões fora do grupo, um elemento de fuga do stress.
Embora esta válvula de escape, desvinculada da função religiosa e associada a outros fatores, possa conduzir a violência domestica.


Casamento e família.
Freqüentemente associada ao casamento, para entender a família integralmente, é necessário discutir o união entre cônjuges.
Na sociedade, em geral, existem duas formas de relação, do ponto de vista antropológico, entre seres humanos: união e casamento.

Tradicionalmente, a união consiste no ajuntamento de indivíduos do sexo oposto sob influencia do impulso sexual.

Modernamente, a união também pode ser caracterizada pelo ajuntamento também entre indivíduos do mesmo sexo, contanto que exista influencia de impulso sexual.
De qualquer forma, a união não estabelece necessariamente direitos e obrigações e, do ponto de vista antropológico, não constitui obrigatoriamente uma família.
Para que isto aconteça é necessário o reconhecimento dos envolvidos e da sociedade.
Entretanto, a união pode conduzir ao matrimonio ou casamento, quer seja reconhecido ou não religiosamente ou pelo Estado.
O que caracteriza o casamento é, justamente, a união orientada para a constituição da família, implicando em costumes complexos e o estabelecimento de laços afetivos mais estreitos, quer dentro da monogamia ou da poligamia.
Assim, o casamento ou a união é a base para a construção da família e seu principal elemento agregador, podendo comportar múltiplas soluções e/ou problemas que afetam todos os seus membros.


Família e escola.
Existe, em quase todas as sociedades, uma tendência para que certos aspectos do adestramento das crianças sejam assumidos por agentes externos à família, tal como a escola.
O grande problema é que o saber escolar, muitas vezes, distancia-se da realidade, impedindo a assimilação democrática do conhecimento, excluindo e limitando o acesso ao saber.

A escola é uma instituição, como tal possui normas e padrões, impostos por aqueles que controlam o sistema educacional, dentro do âmbito do fordismo, acarretando em problemas como a questão da “violência simbólica”, discutida por Bourdieu e Passeron.
Portanto, embora a sociedade transfira, cada vez mais, responsabilidades da família para a escola, cabe lembrar que somente a primeira constitui um grupo primário.
A escola é um grupo secundário e nunca poderá substituir a família na educação das crianças.


Concluindo.
Seja qual for o problema, dentro da escola, a resolução não está apenas no tratamento do educando, mas sim na orientação familiar.
O vinculo dos sujeitos com a família é essencial para um desenvolvimento coerente.

O problema do individuo pode ser, na realidade, um problema de sua família, podendo, inclusive, agravar situações em um efeito em cascata transposto para a sociedade.

Por outro lado, trabalhar com a família, permite ao profissional da educação realizar verdadeiramente uma profilaxia, uma prevenção do agravamento de problemas já existentes.
Para solucionar as questões que diariamente se colocam aos educadores, dentro da escola, talvez devamos pensar em retomar alguns aspectos do ensino tradicional, só assim será possível auxiliar o educando na passagem da heteronomia para a autonomia.


Para saber mais sobre o assunto.
ABRAMOVAY, Miriam et ali. Violência nas escolas. Brasília: UNESCO, 2002.
ANDRADE, Marconi. Antropologia: uma introdução. São Paulo: Atlas, 2001.
BEYER, H. O fazer psicopedagógico: a abordagem a partir de Piaget e Vygotsky. Porto Alegre: Mediações, 1996.
CASTEL, Robert. “As armadilhas da exclusão”. In: Desigualdade e a questão social. São Paulo: EDUC, 1997.
FERNANDES, Alicia. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.
GREEN, Bill & BIGUM, Chris. “Alienígenas na sala de aula” In: SILVA, Tomás Tadeu da. (org.) Alienígenas na sala de aula. Uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995.
LINTON, Ralph. O homem: uma introdução à antropologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.


Texto: Prof. Dr. Fábio Pestana Ramos.
Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo.
Bacharel em Filosofia pela FFLCH/USP e Licenciado em Filosofia pela Faculdade de Educação da USP, com MBA em Gestão de Pessoas pela UNIA.



Têm interesse pelo tema?
Faça um curso extracurricular on-line que aborda o conteúdo deste artigo com certificado, assinado pelo autor.
Conheça o curso através do link:

7 comentários:

  1. Gostaria, que fosse abordado o tema da família que transfere para a escola o dever educacional dos filhos e gera problemas disciplinares na escola.

    ResponderExcluir
  2. Excelente sugestão, em breve estaremos publicando.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  3. Prof. DR Fábio primeiramente PARABÉNS pelo dia de hoje,sempre que falo em Dia do Professor me lembro de uma frase do meu tempo de primário que usÁvamos que era "AO MESTRE COM CARINHO",no tempo(não tão distante assim pois tenho 29 anos)era comum respeitarmos o Professor coisa que hoje já não existe em nenhuma instituição,pessoas adultas mesmo que não sabem se portar numa sala de aula,não entendem que a pessoa que esta ali na frente escolheu estar ali para nos ensinar a ser alguem na vida.
    Hoje estou no 3º Período de enfermagem aqui no Rio e temos um projeto novo ainda na grade curricular em que trabalhamos nas comunidades,nessa fase estamos abordando o tema FAMÍLIA,outra base importante mas que não há mais respeito,peço licença lhe dando os créditos necessário para usar seu texto sobre familia na nossa página que é contrução da disciplina.
    Forte abraço e mais uma vez PARABèns!!!!!!!
    Marcia

    ResponderExcluir
  4. Em nome de todos que trabalham para manter a publicação atualizada, agradeço imensamente as palavras gentis.
    Está autorizada a divulgar o texto, pedimos apenas que coloque um link para acesso direto ao original.
    Forte abraço:
    Fábio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Professor Fábio, estou fazendo o estágio, e lendo seu artigo, mais ainda me angustio em função do que vejo na escola pública: a delegação da formação primária à escola.

      Participei,a título de curiosidade e para me inteirar da dinâmica do magistério, de alguns HTPC, e me dei conta de que o conceito de "educador" talvez já não responda há muito tempo à nossa realidade não somente brasileira, mas humana de modo geral. Quiçá o de mediador de conhecimento ainda seria o melhor.

      Por "educação", entendo que dá a ideia de que alguém está na posse de um saber conduzir a alguém nos moldes gregos da palavra "pedagogia" (paidéia). Mas, conduzir para onde e servindo a que interesse? Aqui, quem sabe, a ideia socrática da construção de um conhecimento dialogado em função do discurso que é "meio" seria mais conveniente e refletiria muito melhor uma situação de reelaboração coletiva de um conhecimento que sempre é produzido socialmente (nas configurações sociais concretas onde radica o indivíduo).

      Querendo salvar o conceito de "educação", penso que este poderia se restringir - o que não é pouco - àquela formação primeva que se deveria de ter no seio familiar onde se forma o embrião do indivíduo ético e moralmente respeitoso para com o outro. Deste modo, esta "educação", permeada pela formação de um conhecimento compreendido como construção coletiva e social a partir de uma diálogo "mediador",poderia (quem sabe?)se deixar fecundar por um pensamento filosófico reflexivo global alternativo.

      Portanto, o conceito de "educação", se restringido em sua extensão àquela formação primária que deveria ser ministrada na família in loco, poderia ser substituído por um mais eficaz, o de "mediação de um conhecimento dialogado", que poderia fecundar aquele como contribuição filosófico-reflexiva como alternativa de um espírito crítico.

      PS: Como fazer as famílias entenderem que elas devem contribuir para a formação primária de seus filhos que estão perdendo muito com esta ausência efetiva e afetiva dos pais?

      Abraços,

      Edson (Aluno da Claretianos de Rio Claro - Ceuclar)

      edsonap_rosa@yahoo.com.br

      Excluir
  5. Gostei muito do texto.Considero que a família esteja reproduzindo todas as mazelas sociais a que estamos sujeitos como indivíduos.O que muito me incomoda como mãe e professora é que quando a criança apresenta algum problema,usa-se o quase clichê:culpa da família.E se tem algum problema,que a família resolva...e a função da escola enquanto transformador social?A família é apenas o "paciente identificado"como diz na psicologia,mas é a sociedade e não a "família" que está doente,e se estamos doente estamos como um todo,por fazer parte da sociedade enquanto instituição... Um abraço,Michelle

    ResponderExcluir
  6. Sugestão para um próximo artigo (se possível): famílias alternativas
    Obrigada,

    ResponderExcluir

Esteja a vontade para debater idéias e sugerir novos temas.
Forte abraço.
Prof. Dr. Fábio Pestana Ramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.