Curiosidades e tudo que você sempre quis saber...


Para entender a história... é uma publicação técnico-científica on-line independente brasileira, indexada pelo IBICT, Latindex, CNEN e LivRe; no ar desde sexta-feira 13 de Agosto de 2010.
Não possui fins lucrativos, seu objetivo é disseminar e difundir o conhecimento através de artigos com qualidade acadêmica e rigor cientifico, mas linguagem acessível ao grande publico.

Periodicidade: Semestral (edições em julho e dezembro) a partir do inicio do ano de 2013.
Mensal entre 13 de agosto de 2010 e 31 de dezembro de 2012.

Livros com preços promocionais a partir de 4,99.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Família e Casamento.

Para entender a história... ISSN 2179-4111. Ano 2, Volume mai., Série 04/05, 2011, p.01-04.



Casamento, hoje?

“Até que a vida os separe”, responde o psicanalista.

As estatísticas não o deixam mentir.

Desde a década de 80, os números de casamentos vêm declinando e o de divórcios, aumentando.

Quem contabiliza é o IBGE. Golpes e mais golpes fustigam a família.

Será que desagregação familiar não passa também pela falência do casamento?




O conceito de família.

Como poderíamos definir a família hoje?

Menos sensível às sansões religiosas, menos atenta às tradições, ela já é chamada por cientistas sociais na Europa de “família pós-familial”.

Segundo estudiosos, a família só continua a existir na imaginação ou na memória.

A culpa?

É do casamento que não resistiu às mudanças.

A revolução tecnológica permitiu a emancipação econômica dos indivíduos desobrigando-os da vida familiar.

Até recentemente a família era uma proteção contra as ameaças do mundo, lá fora.

A Amélia - que se encarregava de lavar e passar para o marido - foi substituída pelo micro-ondas.

A pílula e a emancipação da mulher alteraram definitivamente as relações dentro da família.

Como se não bastasse, envolvimentos extraconjugais fascinam uns e outros, enquanto cresce na sociedade industrializada o número de pessoas que querem viver sozinhas.




O casamento hoje: falta conversa.

A auto-felicidade vem na frente dos cuidados entre os cônjuges e daqueles com os membros da família.

Hoje, sou “eu”,depois o “tu”, e bem mais longe, “eles”.

Enfim, a modernidade parece querer dispensar o casamento e a família de sua função histórica básica: garantir a nossa sobrevivência.

Se posso acrescentar uma modesta idéia à lista concebida por especialistas do mundo todo, diria que o casamento está morrendo porque as pessoas vêem televisão demais e conversam de menos.

Essa “arte de ser feliz junto” como já disse um filósofo sobre a conversação, vêm sendo ameaçada pelo lixo que a telinha joga para dentro de nossas casas à noite.

Todos sabemos que o prazer é coisa misteriosa e que, aquele que extraímos de uma boa conversa deve a bem pouca coisa: um clima de conivência, certa confissão inesperada, um sorriso velado entre uma e outra frase.

Parece pouco, mas é muito.

Que maravilha deixar-se levar pela vagabundagem da palavra, saindo de si e se aventurando na terra do outro, pondo um fim à discussão com um beijo.

E o que dizer da conversa que fica em segundo plano feita de tudo o que não ousamos dizer, de nossos medos, de nossas crenças e esperanças.




Concluindo.

Para restaurar o equilíbrio do casamento e da família, a conversação não deve ser só ócio e abandono, mas uma porta para a verdade, a felicidade, a amizade e a sociabilidade.

Um espaço de ironia e seriedade, riso e gravidade, cólera e medida.

Não aquilo em que se transformou: algo de útil e eficaz.

Uma boa conversa permite aproximação, incentiva compromisso, encontra um vocabulário comum.

Nela, haverá sempre um tempo para falar e outro para escutar.

Afinal, conversar é também saber calar.

Pois não se trata de ter a última palavra, mas de construir junto essa coisa preciosa e cada vez mais rara: o momento compartilhado.

“Enfim sós”?

Sim e, de preferência, para conversar...




Para saber mais sobre o assunto.

DEL PRIORE, Mary. A Família no Brasil Colonial. São Paulo: Editora Moderna, 1999.
DEL PRIORE, Mary. Ao sul do corpo, Condição Feminina, Maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. UNESP: São Paulo, 2009.
DEL PRIORE, Mary. “A vida cotidiana no Rio de Janeiro” In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, v. 436, 2007, p. 313-333.
DEL PRIORE, Mary. A História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999.
DEL PRIORE, Mary. “Crianças e adolescentes de ontem e de hoje “ In: Helena Bocayuva e Sílvia A. Nunes. (Org.). Juventude, subjetivações e violências. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009, p.11-24.
DEL PRIORE, Mary. Histórias do Cotidiano. São Paulo: Contexto, 2002.
DEL PRIORE, Mary. L'Histoire de la vie privée dans le monde luso-americain: l'exercice d'une nouvelle approche? In : Cahiers de L'histoire Du Brésil, Sorbonne - Paris, 2000.




Texto: Profa. Dra. Mary Del Priore.
Doutora em História Social pela USP, com Pós-Doutorado na Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (Paris/França).
Lecionou História do Brasil Colonial nos Departamentos de História da USP e da PUC/RJ.
Autora de mais de cinqüenta livros e atualmente professora do Programa de Mestrado em História da Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO/NITERÓI.
Membro do Conselho Editorial de "Para entender a história..." desde 14/01/2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esteja a vontade para debater idéias e sugerir novos temas.
Forte abraço.
Prof. Dr. Fábio Pestana Ramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.