Curiosidades e tudo que você sempre quis saber...


Para entender a história... é uma publicação técnico-científica on-line independente brasileira, indexada pelo IBICT, Latindex, CNEN e LivRe; no ar desde sexta-feira 13 de Agosto de 2010.
Não possui fins lucrativos, seu objetivo é disseminar e difundir o conhecimento através de artigos com qualidade acadêmica e rigor cientifico, mas linguagem acessível ao grande publico.

Periodicidade: Semestral (edições em julho e dezembro) a partir do inicio do ano de 2013.
Mensal entre 13 de agosto de 2010 e 31 de dezembro de 2012.

Livros com preços promocionais a partir de 4,99.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Os Astecas e os sacrifícios humanos.

Para entender a história... ISSN 2179-4111. Ano 2, Volume abr., Série 06/04, 2011, p.01-12.


Em pleno século XVI, durante o processo de conquista europeia na América, os soldados espanhóis organizavam marchas em direção ao interior do continente.
Partindo das ilhas do Caribe, diversas expedições adentravam as matas do Novo Mundo em busca de ouro e riquezas e, na medida em que avançavam, iniciavam contatos com diferentes povos, de diversas culturas e idiomas.

Estas expedições encontraram os as astecas, um povo que praticava sacrifícios humanos.
Os espanhóis se horrorizaram diante das noticias destes sacrifícios, enxergando tudo pela ótica cristã.


A expedição de Córtes.
Entre todas as expedições espanholas no continente americano, certamente a mais conhecida foi a do capitão espanhol Hernán Cortés.
Ela partiu do litoral de Cuba em 1519, rumo à capital asteca de México-Tenochtitlán, com o intuito de conquistar a chamada Confederação Mexica.
Então formada ainda pelas cidades de Tacoplan e Texcoco e comandadas pelo líder indígena Montezuma.
Depois de percorrerem os mais inóspitos caminhos, com vales e montanhas, frio, chuva e calor, Cortés e seus homens, ao se aproximarem de seu destino, começaram a receber as primeiras notícias da capital mexica.
No dia 8 de novembro de 1519, os espanhóis finalmente se dirigiram à gigantesca cidade de México-Tenochtitlán.
Os europeus, súditos de um grande monarca, fiéis do único e verdadeiro Deus cristão, se deparariam com uma sociedade indígena altamente complexa em todos os seus níveis.
Além disso, a civilização até então considerada inferior, se mostrou em toda sua grandiosidade, habitadas por cerca de um milhão de habitantes, ao passo que as maiores cidades espanholas não tinham mais do que cem mil pessoas.
Este certamente foi um dos maiores encontros históricos registrados.
Os europeus conheciam os africanos e o Oriente e com eles havia estabelecido e construído uma longa história, desde a Antiguidade.
No entanto, as populações nativas da América não eram conhecidas pelos outros continentes e, mais do que um encontro de pessoas, espanhóis e astecas também começariam a escrever uma história inédita.


As primeiras impressões dos europeus sobre os astecas.
Os registros das primeiras visões sobre a cidade asteca demonstram o encantamento e o discurso do maravilhoso que foi construído a respeito do que viam os espanhóis.
O discurso das maravilhas é comum nas crônicas de viagens, em que o espectador cronista descreve algo que para ele é curioso, singular, diferente, que causa espanto e admiração.
Tudo se passa como se estivesse em ação o seguinte postulado: nesses países distantes não pode deixar de existir maravilhas e curiosidades.
De outro modo, o discurso do maravilhoso é uma das transcrições possíveis das diferenças culturais.


Hernán Cortés, em suas cartas endereçadas ao rei Carlos V e Bernal Dias de Castilho, soldado que participou da campanha, são certamente as principais testemunhas oculares desses episódios.
Seus textos nos deixaram suas impressões iniciais a respeito do mundo indígena.
Cortés relatou:

“Esta grande cidade de Tenochtitlán está fundada em uma lagoa salgada. Ela tem quatro entradas, todas de calçada e feitas à mão. As ruas estão metade na água e metade na terra pela qual os índios andam em canoas. Tem esta cidade muitas praças onde há um continuo mercado, de negócios, compra e venda, onde cotidianamente existem cerca de sessenta mil pessoas e onde há todos os gêneros de mercadorias”.

Do mesmo modo, Bernal Dias deixou seu testemunho:

“(...) por uma parte havia grandes cidades em terra firme e na lagoa muitas outras vilas e víamos tudo cheio de canoas e na calçada havia muitas pontes, de trecho a trecho, e adiante estava a grande cidade do México”.

Essa cidade talvez tenha sido a maior do mundo no século XVI e sobre ela os conquistadores fizeram maravilhosas descrições.
Cortés tentou transmitir uma imagem fascinante do mundo novo que havia encontrado e começou por situar o maravilhoso cenário que o rodeava.

O enorme vale, cercado por ásperas serras, os dois lagos, o menor de água doce e o maior de água salgada e que eram comunicados por um estreito.


Os vulcões, as canoas, as ruas da cidade, a abundância e a organização dos mercados, como o de Tlatelolco, os templos, os sacerdotes, as torres e as imensas pirâmides.
Além disso, os cronistas destacam a limpeza das casas, os amplos aposentos, as flores que decoravam as ruas, a organização política, o aparato militar e até mesmo a existência de um jardim zoológico.
Coisas nunca vistas foram ressaltadas nos relatos dos espanhóis, com tanques para os peixes e jaulas enormes para as aves, além da exposição exótica de índios albinos e pessoas deformadas.
Na Europa, nada disso existia e quase tudo causava espanto e admiração.
Os espanhóis, por exemplo, ficaram muito surpresos ao ver os braseiros que eram colocados sob as refeições para que se mantivessem quentes os alimentos e o hábito indígena de lavar as mãos antes e depois dos banquetes.
Cortés certamente nunca tinha visto nada igual e ele mesmo gastou várias folhas, em suas epístolas, para tentar descrever em detalhes tudo o que via e tudo o que chamava sua atenção.
Naturalmente, os relatos de Cortés e Bernal Dias de Castilho corresponderam à visão particular desses autores acerca do mundo indígena que, ao longo da viagem, encontraram.
Aquilo que destacaram e valorizaram, para contar em seus registros, também foi fruto de uma seleção feita a partir dos seus valores.
Mais do que uma descrição fiel da realidade, trata-se de uma exposição eurocêntrica do mundo asteca em que vemos a valorização das ruas, dos prédios, da técnica, do controle sobre a natureza, do comércio.
Portanto, o que foi destacado dialogava diretamente com a Europa daquele período.
Mas é preciso saber que mundo era esse e de que modo ele estava organizado e, principalmente, como havia chegado nesse grau de desenvolvimento, pois esse viria a ser o cenário principal em que Cortés atuaria nos próximos dois anos.
Ele mesmo se tornou conhecido e entrou para a história ao entrar em contato com este novo mundo, visto que o nome do explorador espanhol estará para sempre associado a esse conjunto de elementos que compuseram o espaço do México indígena.


Antes dos espanhóis chegarem.
No século XVI, viviam na região do México diversas populações indígenas.
A região Sul, chamada pelos historiadores de Mesoamérica, era habitada por agricultores que viviam em povoados e cidades governados por um grande líder, chamado por eles de tlatoani, “aquele que fala”.
No Norte, região chamada de Aridamérica, se dedicavam à caça e à coleta de plantas silvestres ou praticavam uma agricultura menos intensa e não viviam em um lugar fixo nem tinham governo centralizado.
Na Mesoamérica viviam muitos povoados independentes.
Um deles, sem dúvida, era o mais poderoso, pois, ao longo de sua história, havia conquistado muitas outras sociedades.
Esta cidade era México-Tenochtitlán e seus habitantes eram chamados de mexicas ou astecas.
Os mexicas contavam que, em suas origens, haviam sido um pequeno grupo de nômades que partiu da distante região lendária de Aztlán, localizada no Norte do México atual, em busca de uma terra própria, onde pudessem se estabelecer.
Eles teriam sido guiados por seu grande deus Huitzilopochtli, que os conduziu até o Vale do México, lugar em que fundariam sua cidade.
Da palavra Aztlán surgiria o nome “asteca”, ou seja, aqueles que vieram de Aztlán.
Os mexicas, de acordo com a lenda, teriam sido guiados por um presságio divino.
Os indígenas só deveriam parar de peregrinar e se fixar quando fossem surpreendidos por uma visão.

Teriam que ver um cacto e em cima dele uma águia, devorando uma serpente.

Quando isso fosse visto, ali se fixariam e formariam um núcleo de povoamento.

Por ironia, essa visão, de acordo com a tradição asteca, apareceu exatamente em cima de um lago, o Texcoco e, ali mesmo, no meio dos pântanos seria erguida, no ano de 1325 d.C, uma grande cidade, chamada México-Tenochtitlán.
A denominação dupla México-Tenochtitlán levanta, de fato, algumas curiosidades.
O termo Tenochtitlán se explica sem dificuldade: é a terra do tenochtli, uma espécie de cacto, figueira-da-barbaria, de fruto duro, que designa a cidade por um cacto nascendo num rochedo.
A palavra México, por sua vez, apresenta duas origens.
A primeira parte do símbolo da cidade, em que a águia devorando uma serpente representava a divindade Mexitl, outra denominação para o deus do sol Huitzilopochtli.
A segunda explicação, mais difícil, parte da etimologia das palavras: metztli, “a Lua” e xictli, “umbigo” ou “centro”. México seria, então, a cidade que está no meio do lago bem acima da lua.
Na bandeira do México atual ainda é possível ver a reprodução fiel do glifo que designava a antiga cidade asteca.
Uma vez estabelecidos em sua cidade, os mexicas se dedicaram ao que melhor sabiam fazer: a guerra.
Eram tão grandes militares que em 1428 d.C derrotaram vários poderosos povos do Vale do México.
A partir de então se converteram nos novos dominadores da região, junto com Texcoco e Tacoplan, formando a chamada Confederação Mexica que, em seguida, venceu vários outros povos da região.
Logo conquistaram a quase todos os grupos indígenas do Altiplano Central, e regiões da costa do golfo, como Oaxaca e Chiapas.
Em 1519, quando Cortés chegou, os mexicas dominavam a maior confederação que já existiu na história da Mesoamérica e sua capital era a cidade mais povoada, temida e próspera da região.
Quando os mexicas conquistavam outro povoado qualquer, geralmente não trocavam seu rei nem interferiam em seu governo interno.
Somente exigiam que esse povoado, incorporado, pagasse impostos, ou seja, que lhes entregasse certa quantidade de milho, algodão, peles de animais, plumas de aves, ouro, prata e outros produtos valiosos.

Além é claro da exigência de que seus guerreiros os ajudassem nas conquistas militares posteriores.

O líder mexica, o tlatoani, era o mais rico e poderoso dos governantes indígenas e todos os habitantes da Mesoamérica o respeitavam.

No ano da chegada de Hernán Cortés à região, o tlatoani mexica era Montezuma Xocoyotzin, cujo nome quer dizer “o senhor carrancudo” ou o “senhor sombrio”.
Esse líder certamente estabelecia um forte vínculo com a religiosidade indígena, seguindo e obedecendo aos sacerdotes e as ordens vindas diretamente dos deuses protetores da cidade.
Montezuma era o senhor da cidade de Tenochtitlán e foi contra essa cidade que Cortés lançou sua força de dominação.
Por isso, quando falamos em conquista do México, queremos dizer, na verdade, conquista dos mexicas, ou seja, dos habitantes de Tenochtitlán.
A generalização para o termo “conquista do México” ocorreu porque como os mexicas haviam dominado a muitas outras sociedades índias.
Sua derrota permitiria dominar também a todos os outros povos, de modo rápido durante o período de colonização, pois o líder que viesse a substituir Montezuma seria não apenas o novo senhor de México-Tenochtitlán, mas, sobretudo, exerceria domínio sobre outras sociedades indígenas.
Apesar da diferenças entre esses povos, muitos eram subjugados por um mesmo poder.
No entanto, no geral, a Mesoamérica, no século XVI, estava povoada por um grande número de povos que falavam mais de cem idiomas diferentes.
Cada um tinha sua própria identidade étnica, sua própria história e seus próprios governantes.
No Altiplano Central do México viviam povos que falavam náuatle, como os mexicas e os tlascaltecas, além de outros povos como os otomis.
Estes povos se consideravam muito distintos entre si, mas todos comiam os mesmo alimentos básicos, como o milho, o feijão, a pimenta, o tomate e compartilhavam uma religiosidade muito semelhante, caracterizada por violentos sacrifícios humanos.


Os sacrifícios humanos entre os astecas.
A religião e os ritos tinham uma importância fundamental na vida do povo mexica e entre estes se destacava o sacrifício humano, como oferenda máxima que se podia fazer aos deuses.
No centro da cidade de México-Tenochtitlán estendia-se um vasto centro de cerimônias organizado em torno de um importante santuário, o Templo Maior, composto por aproximadamente setenta edifícios.
Cerca de dez mil pessoas, entre sacerdotes e sacerdotisas, cantores, bailarinos, nobres e oficiais de todo tipo se reuniam ali para sacrificar, dançar e cantar.
Existem várias explicações míticas para a origem dos sacrifícios, mas todas se relacionam com os deuses e com a criação do mundo.
Os astecas tinham uma profunda relação com a observação dos astros e estes estavam diretamente relacionados com a religiosidade mexica, assim como no caso dos maias.
Os dois principais deuses da sociedade asteca eram justamente Tezcatlipoca e Huitzilopochtli.
O primeiro deles representava o céu noturno, se conectando com os deuses estrelares, com a Lua, com a morte, com a maldade e a destruição.
O seu nome significa “espelho fumegante” e era também o deus da providência, do destino.
Huitzilopochtli era o seu complemento, pois representava o céu diurno, o céu azul, a encarnação do sol, o jovem guerreiro que nascia todas as manhãs do ventre da velha deusa terra e morria todas as tardes para iluminar com sua luz o mundo dos mortos, o Mictlán.
De acordo com a lenda asteca, Coatlicue, a deusa terra, era a mãe da lua e das estrelas.
No entanto, a terra engravidou novamente e isso gerou muito ciúme de suas filhas que quando souberam da notícia se enfureceram até o ponto de decidir matar a mãe.

Coatlicue chorava, mas o seu filho, dentro de seu ventre, lhe consolava dizendo que a defenderia no momento que fosse preciso.


Quando as filhas enciumadas chegaram para sacrificar a mãe, saiu de dentro dela uma serpente de fogo, como um chicote, que violentamente cortou a cabeça da lua e fez com que as estrelas fugissem.
Assim, nasceu da velha mãe terra o deus Huitzilopochtli, que a partir de então travaria um combate eterno contra suas irmãs estrelas e Lua, no formato de uma serpente de fogo.
A imagem remete ao primeiro raio solar que nasce da terra, dando fim à noite.
Ao consumar sua vitória, ele, o Sol, era levado pelos ombros até o meio do céu pelas almas dos guerreiros mortos na guerra e pelas pessoas mortas nos sacrifícios humanos.
O seu triunfo sobre as irmãs noturnas significava um novo dia de vida aos homens, uma nova chance, em busca de alimentos e sobrevivência.
Todos os dias, portanto, os astecas acreditavam que esse combate divino era travado.
Para que triunfasse o Sol era preciso que ele estivesse forte e vigoroso e, por isso, o homem tinha que alimentá-lo.
Caso contrário, seria noite para sempre.
Por isso, os eclipses eram sinais de desgraça.
Mas como o Sol era um deus, ele só poderia ser alimentado da própria vida, a partir da substância mágica existente no sangue dos homens.
Essa é a origem religiosa dos sacrifícios humanos e a representação do sol, nascendo e morrendo, era sempre encenada em cada ritual em homenagem ao deus Huitzilopochtli.
O Sol desempenhava um importante papel, pois era ele quem fornecia a luz e o calor para que a vida existisse.
Havia um temor contínuo e coletivo de que este astro pudesse perder suas forças e deixar de sair todos os dias.
Os rituais em homenagem ao deus Tláloc, da chuva, também eram importantes, pois estavam diretamente relacionados ao sucesso das colheitas.
Na base de tudo estava a noção de dívida.
Uma criatura devia a vida e tudo o que fazia possível viver aos deuses.
Isso devia ser reconhecido e a dívida paga, mediante o oferecimento de incenso, tabaco, alimentos e, inclusive, do próprio sangue.
O principal foco era a alimentação dos deuses, para que fossem vitalizados, ainda que isto também pudesse ser feito com animais e outras comidas, além das ervas e das flores.


Os ritos do sacrifício.
A maior parte das imolações de homens acontecia ao longo dos ciclos festivos dos meses do calendário solar e muitos dos dias eram as datas de aniversários dos deuses.
As festas do ano solar eram especialmente importantes porque nelas se recriavam diversos aspectos da cosmogonia mesoamericana: a criação da terra, o nascimento do milho, as migrações dos povos, os sacrifícios do Sol, da Lua, das estrelas e o mundo dos mortos.
Nessas celebrações morriam e nasciam novamente quase todos os deuses.
Havia muitas outras ocasiões que requeriam os sacrifícios humanos: guerras, batalhas, desajustes da ordem cósmica, como eclipses, fomes, inundações, roubo de objetos sagrados, fuga de prisioneiros.

No geral, as vítimas eram capturadas durante as guerras de conquista, mas muitas vezes havia voluntários e pessoas honradas a serem sacrificadas.

O sacrificado era vestido e tratado como se fosse a própria divindade por dias, meses e anos, dependendo da festividade.
Os sacrificadores eram no geral sacerdotes especializados e muito respeitados em Tenochtitlán.
Normalmente os sacrifícios seguiam uma sequência de rituais: na noite anterior o sacrificado tinha o corpo velado, era tratado como deus e às vezes tinha o corpo pintado de branco.
No dia seguinte, era levado aos centros cerimoniais e, em público, sacrificado.
O coração arrancado, a decapitação, as flechadas na garganta e o afogamento eram os métodos utilizados, sendo o primeiro deles o mais comum.
O sacrificado, deitado numa pedra, tinha seus membros segurados por quatro sacerdotes.
Um quinto homem responsável pela cerimônia pegava uma faca de obsidiana, pedra vulcânica comum na região, e abria o peito da vítima.
Em seguida, o coração arrancado era mostrado à multidão.
O corpo finalmente era lançado pelas escadarias do templo.
Para finalizar, de tarde, partes do corpo eram comidas num ritual antropofágico que era um evento religioso e social importante.
O morto divinizado era comido para que os fiéis se unissem com ele, mas também se tratava de uma ocasião para convidar e honrar familiares, para fazer relações com pessoas importantes, para ganhar prestígio.


Concluindo.
Os sacrifícios humanos também estavam presentes na chamada “Guerra Florida”.
Em muitas ocasiões, os mexicas marcavam um lugar sagrado e um período do dia específico para encenar, juntamente com outros povos rivais, um combate.
Neste, o principal objetivo não era matar ou conquistar, mas aprisionar o maior número possível de pessoas para serem entregues aos deuses, ou seja, uma noção de guerra completamente diferente da europeia.
Homens como Cortés não entediam esse tipo de prática, nem a religiosidade indígena e, na verdade, essas crenças eram tratadas como algo que precisava ser rapidamente eliminado.
Enxergar os sacrifícios humanos dos astecas como algo demoníaco e, portanto, a ser combatido pelos cavaleiros cristãos foi uma das justificativas religiosas para a conquista espanhola.
A partir de então, a invasão da América carregaria elementos do discurso das cruzadas e do combate aos infiéis.
Desde os primeiros dias em terras americanas, os espanhóis se depararam com corpos indígenas, vítimas de sacrifícios.
Esses cadáveres causavam muito temor não apenas nos europeus recém chegados, mas, sobretudo, nas próprias comunidades indígenas que eram submetidas ao poder de Montezuma.
Esse era, portanto, o mundo que aguardava Cortés, de portas abertas, quando ele passou pelo vale do México e atravessou os povoados de Estapalapa e Coioacán em novembro de 1519.
Uma imensa cidade, cheia de pessoas realizando um intenso comércio e os centros cerimoniais, cheios de vítimas e sangue esperavam a chegada dos espanhóis.


Para saber mais sobre o assunto.
CASO, Alfonso. El pueblo del sol. México: FCE, 1994.
CASTILLO, Bernal Díaz. Historia verdadera de la conquista de la Nueva España. México: Editorial Porrúa, 2007.
CORTES, Hernán. Cartas de Relación. Madrid: Dastin, 2007.
HARTOG, François. O espelho de Heródoto: ensaio sobre a representação do outro. Belo Horizonte: UFMG, 1999.
LINARES, Federico Navarrete. La Conquista de México. México: Tercer Milenio, 2000.
SOUSTELLE, Jacques. Os astecas na véspera da conquista espanhola. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.


Texto: Prof. Ms. Marcus Vinícius de Morais.
Mestre em História Cultural pela Unicamp e autor do livro Eles Formaram o Brasil, co-autor do livro História dos EUA: das origens ao século XXI, ambos publicados pela Editora Contexto.
Membro do Conselho Editorial de “Para entender a história...”

2 comentários:

  1. Parabéns!!!!! Excelente texto !!!!
    Esse blog é sensacional !!!!

    ResponderExcluir
  2. Certa vez li num livro de história que alguma destas civilizações antigas em seu ritual de sacrifício pronunciavam palavras muito próximas de "Eis aqui meu (ou seu) filho amado" ou algo assim, alguém já leu algo sobre isto? gostaria de saber onde encontrar tal trecho.

    ResponderExcluir

Esteja a vontade para debater idéias e sugerir novos temas.
Forte abraço.
Prof. Dr. Fábio Pestana Ramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.