Curiosidades e tudo que você sempre quis saber...


Para entender a história... é uma publicação técnico-científica on-line independente brasileira, indexada pelo IBICT, Latindex, CNEN e LivRe; no ar desde sexta-feira 13 de Agosto de 2010.
Não possui fins lucrativos, seu objetivo é disseminar e difundir o conhecimento através de artigos com qualidade acadêmica e rigor cientifico, mas linguagem acessível ao grande publico.

Periodicidade: Semestral (edições em julho e dezembro) a partir do inicio do ano de 2013.
Mensal entre 13 de agosto de 2010 e 31 de dezembro de 2012.

Livros com preços promocionais a partir de 4,99.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

A importância da arte no cotidiano escolar.


Para entender a história... ISSN 2179-4111. Ano 3, Vol. jul., Série 02/07, 2012, p.01-05.

 
O artigo faz parte da Monografia de Conclusão de Curso de Pós-Graduação em Psicopedagogia Institucional pelo INEC/Universidade Cruzeiro do Sul, orientada pelo Prof. Dr. Fábio Pestana Ramos.

 

O artigo é resultante de pesquisa bibliográfica que relacionará a contribuição da Arte bem como a sua importância com enfoque nas linguagens visual, teatral, musical e da dança no processo de ensino aprendizagem.
O estudo apresenta teóricos que comprovam que a Arte auxilia o indivíduo quanto à percepção do mundo de forma sensível.

 

Introdução.
De acordo com o dicionário Aurélio de Língua Portuguesa (2002) Arte quer dizer:
1. “Capacidade ou atividade humana de criação plástica ou musical”,
2.” Artes que se manifestam por meio de elementos visuais e táteis, tais como desenho, a pintura, a escultura, etc.”.
Segundo o dicionário Cegalla (2005) Arte tem como significado:
1. Aplicação de talento, criatividade e vivência na consecução de uma obra que impressiona pela sua forma”;
2.Artifício, artimanha, habilidade.”
Contextualizando essas definições na educação, a Arte refere-se à capacidade que leva o indivíduo a compreender e então descobrir e desenvolver as habilidades contidas em si.
A Arte muitas vezes não é compreendida por alguns alunos, que questionam o porquê aprender determinados conteúdos tais como: cores, figuras geométricas, técnicas de pinturas, entre outros.
Mas está presente em tudo, afinal vivemos num mundo visual, desde a combinação de uma roupa que depende da harmonia de cores até mesmo para entender a decoração de um ambiente onde entra o equilíbrio das cores mais uma vez presente no dia a dia.
A Arte também nos ajuda a compreender o estado de espírito das pessoas, uma vez que expressam seus sentimentos por meio das diversas linguagens artísticas (música, dança, teatro e artes visuais).
Enfim, o homem não vive sem se expressar tornando-se quase impossível viver sem compreender um pouco as linguagens artísticas tão presentes no nosso cotidiano. Para Silva Júnior (s/d) a Arte promove ao ser humano a oportunidade de se conhecer como também de demonstrar seus sentimentos e pensamentos.

 
A importância da arte no cotidiano escolar.
Normalmente, quando as pessoas pensam na grade curricular para criar avaliações de vestibulares, de seleção de empregos e as avaliações desenvolvidas para medir o desempenho dos estudantes (ENADE, ENEM, SARESP, etc.); atribuem demasiada importância aos conhecimentos voltados para Língua Portuguesa por acreditarem que a escrita é o principal meio de comunicação da sociedade.
Em segundo lugar, dão preferência aos conhecimentos matemáticos, uma vez que são necessários para sobreviver em um mundo tão capitalista.
Posteriormente, preocupam-se com os conhecimentos gerais, voltados as disciplinas de Geografia e História e, por fim, menciona-se o Estudo da Arte, talvez por não encontrarem tanta utilidade.

Entretanto, há estudos que mostram que o ser humano compreende o mundo por meio da relação com os sons, com a escrita, com as imagens e expressões corporais, pois da mesma maneira que se aprende a ler palavras é possível fazer leituras dessas relações e desta forma compreender melhor o mundo em que se vive.

Porém, na maioria das vezes não é o que acontece sendo possível perceber que muitos demonstram desinteresse pela questão estética.
Ora por falta de oportunidade, ora por falta de compreensão da influência que a mesma exerce em sua vida.
Por meio do estudo da Arte é possível fazer uma ressignificação da realidade, uma vez que, a troca de experiências que ocorre no ambiente escolar mostra que cada indivíduo compreende a mesma coisa de maneira diferente, construindo o próprio conhecimento, isto é, seu ponto de vista.

O ensino de Arte é tão importante na vida dos seres humanos, que podemos dizer que o indivíduo que não possui um contato direto com a Arte, terá uma experiência de aprendizagem limitada, pois, “escapa-lhe a dimensão do sonho, da força comunicativa dos objetos à sua volta, da sonoridade instigante da poesia, das criações musicais, das cores e formas, dos gestos e luzes que buscam o sentido da vida. Apenas um ensino criador pode favorecer a integração entre a aprendizagem racional e estética”, conforme esclarece os PCN’S de Artes (1997; p.39).

Ainda neste contexto Freire diz que:
“Ensinar significa acompanhar e instrumentalizar com intervenções, devoluções e encaminhamentos esse processo de mudança de apropriação do pensamento, dos desejos e sonhos de vida. Educador ensina, enquanto ensina aprende a pensar (melhor) e a construir seus sonhos de vida”. (FREIRE, 1996, p.17).

Na escola por meio dos conhecimentos sistematizados e obtidos pela mediação e intervenção do professor é que se tem a possibilidade de desenvolver um olhar crítico em relação às suas vivências e dar sentido as mesmas.
Esses conhecimentos adquiridos fazem parte de um processo ao longo prazo, pois, imperam em mudanças de conceitos, valores, fatos e até mesmo as atitude.
 
Complementando Ollé diz que:

“Entendo que, no ensino da Arte, a reflexão da prática deve ser uma constante e é através da reflexão que vão acontecer às mudanças. A arte deve ser entendida para além de uma simples distração ou “passatempo”, a arte deve ser facilitadora de uma compreensão, além de formadora de uma consciência sobre quem somos e sobre o mundo”. (2006, p. 12).

Nesse sentido o que diferencia professores e estudantes é que os alunos não possuem um método sistemático de aprendizado, competência esta adquirida pelos profissionais ao longo de toda sua formação e carreira.
Atualmente é evidente perceber o crescimento das produções culturais, sendo papel da escola aproximar o aluno ao contato com este meio a fim de que ele possa selecionar e aproveitar um pouco de cada uma dessas manifestações artísticas, entre as quais é possível citar: artes visuais (pinturas, fotografias, esculturas, desenhos, etc.); música (tipos de sons, gêneros, ritmos, etc.); dança (manifestações, expressões, movimentos, etc.); teatro (modalidades, personagens, etc.).
Desta forma, ao pensar na importância da Arte no cotidiano escolar, nota-se que além de ser responsável pelas expressões de sentimentos e pensamento de todo e qualquer indivíduo, mesmo que ele não perceba, é por meio das linguagens artísticas que os indivíduos conseguem compreender e estabelecer relações entre o mundo externo e interno, ou seja, sentimentos e realidade.
Segundo Duarte Jr. (1985) citado por Chagas (2009) a arte é a criação de formas tanto estáticas: desenho, escultura e pintura como dinâmicas dança, o teatro, o cinema.
E que a arte estabelece significados quanto ao aspecto sentimental, já que estimula sentimento nos indivíduos.
Chagas (2009) afirma que a escola é co-responsável pela formação intelectual e humana dos indivíduos.
A escola não é somente espaço para se aprender a ler, escrever e fazer contas e deve trabalhar o desenvolvimento da sensibilização e expressividade dos alunos para que ele se conheça.

 
Dificuldades para o ensino da arte.
A nova lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB nº 9.394), aprovada em 20 de Dezembro de 1996, lei que obriga o ensino, estabelece em seu artigo 26, parágrafo 2º: “O ensino da arte constituirá componente curricular obrigatório, nos diversos níveis da educação básica de forma a promover o desenvolvimento cultural dos alunos”.

De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais de Arte (1998, p.95):
“É importante esclarecer que a qualidade dessa intervenção depende da experiência que o professor tem, tanto em artes quanto de seu grupo de alunos. É fundamental que o professor conheça, por experiência própria, as questões que podem ocorrer durante um processo de criação, saiba formular para si mesmo perguntas relativas ao conhecimento artístico e saiba observar seus alunos durante as propostas que realizam, para que esse conjunto de dados conduzam suas intervenções e reflexões.”

MacDowell (2010) em debate sobre o Censo Escolar da Educação Básica de 2007 revela que ainda há preconceito cultural entre os profissionais da área de Artes, pois percebeu que uma parte que está envolvida no ambiente acadêmico acredita que o professor de Artes atua somente mediante técnicas, já a outra parte considera que a área não precisa ser valorizada.
Ainda discute a questão da importância de uma formação de qualidade como também de uma educação continuada para que o profissional possa desenvolver as diversas linguagens, como arte cênica dança música e artes visuais em sala de aula.



Como minimizar as dificuldades e despertar o interesse para o estudo da arte.
Segundo Barbosa (1996) a Arte precisa ser difundida para as diferentes classes sociais aumentando a qualidade de vida da população.
Entende-se então, que o acesso a Arte e a qualquer outro tipo de atividade cultural que leve o indivíduo a pensar e desenvolver um olhar crítico sobre o mundo é completamente restrito em nossa sociedade, pois assim, poderemos ter seres cada vez mais alienados, ou seja, indivíduos de fácil manipulação.
Logo, a escola tem a incumbência de sensibilizar os alunos por meio das aulas de Artes e semear o desejo pela busca deste patrimônio cultural, que lhe é seu por direito como afirma Barbosa (1996).
O Que fazer? Como reeducar o olhar destes alunos que já chegam à escola decididos e determinados quanto ao que querem ou não fazer?
Uma pergunta que às vezes fica difícil responder, pois, alguns alunos não conseguem fazer nenhuma relação das atividades ensinadas e propostas durante as aulas, os mesmos não relacionam os conteúdos abordados com o seu cotidiano, outro agravante que dificulta uma pouco mais o papel do professor como agente transformador e estimulador é a progressão continuada, pois, sabem que estão dentro de um ciclo onde são promovidos de um ano para o outro, então, para que?
Por que se preocupar com o que está sendo proposto durante as aulas de Arte?
Nas avaliações externas a mesma não é cobrada como também não é associada às questões de Língua Portuguesa e Matemática com a Arte, como por exemplo, as Histórias em Quadrinhos, formas geométricas, medidas, entre outras.
Sendo assim, é uma tarefa árdua para o professor, pois, tem que tentar despertar algo que não está inserido na maioria dos alunos e que a Arte não faz parte de sua cultura, por vários motivos, falta de acesso, incentivo da família, interesse, entre outros.
De acordo com Richter (2003) o ensino da Arte tem que contribuir para o desenvolvimento do potencial humano como criativo de cada aluno a fim de que se torne livre para se expressar. 

 
Concluindo.
A Arte sempre teve seu papel fundamental, independente do período histórico (pré-história até contemporaneidade), nos dias de hoje um dos papeis principais da Arte é a de expressar os sentimentos seja qual for às linguagens artísticas utilizadas, linguagens essas que vão desde o desenho, a interpretação de uma música, a releitura de uma obra, o manuseio de um instrumento musical até a interpretação de um personagem.
Além de proporcionar o conhecimento das manifestações artísticas e as diversas culturas existentes, faz com que os alunos se apropriem da vida de grandes mestres da pintura, da música.
O que é efetivado por meio biografias e obras que muitas estão expostas em museus, galerias, centro culturais da cidade, além de estarem disponíveis na Internet, facilitando o acesso de muitos, tendo o professor um papel de grande importância, pois estabelece uma prática pedagógica que valorize a Arte, visando o estímulo, a percepção e a sensibilidade dos alunos e incentivando-os a sentir, pensar e agir de maneira consciente e crítica.

 
Para saber mais sobre o assunto.
BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino de arte. São Paulo: Perspectiva, 1996.
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte. Secretaria de Educação Fundamental – Brasília: MEC/SEC, 1997.
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte. Secretaria de Educação Fundamental – Brasília: MEC/SEF, 1998.
CEGALLA, Domingos Paschoal. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa. São Paulo: Companhia Editora Nacional. 1ª Edição, 2005.
CHAGAS, Cristiane Santana. Arte e Educação: A Contribuição da Arte para a Educação Infantil e para os anos iniciais do Ensino Fundamental. Londrina: 2009. Disponível em: http://www.uel.br/ceca/pedagogia
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Aurélio século XXI Escolar. São Paulo: Editora Nova Fronteira, 4ª ed. 2002.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 18. Ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
SILVA JÚNIOR, João Bezerra. O Ensino de Arte no Brasil. Disponível em: http://artigos.netsaber.com.br/artigos_de_joao_bezerra_da_silva_junior.
OLLÉ, Mª Claudia Teixeira da Luz. “Arte-Educação: desafios para uma formação intercultural” In: VIII Encontro de Pesquisa em Educação da Região Centro Oeste. ANPED Centro Oeste. Cuiabá – MT: 2006.
RICHTER, Ivone. Interculturalidade e Estética do Cotidiano no Ensino das Artes Visuais. Campinas: Mercado das letras, 2003.


Texto: Profa. Rosângela de Souza.
Pós-Graduanda em Psicopedagogia Institucional pelo INEC/UNICSUL.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esteja a vontade para debater idéias e sugerir novos temas.
Forte abraço.
Prof. Dr. Fábio Pestana Ramos.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.